Com base na Psicologia,  o bullying é um dos tipos de agressão e comportamento agressivo, onde existe uma assimetria de forças. Pode causar danos físicos, morais ou mentais. Habitualmente surge contra as crianças e adolescentes considerados mais “fracos” que não se conseguem defender tão bem.

São miúdos que são agredidos repetidamente por outros e que os magoam bastante em todos os aspetos.  Habitualmente estes bulli não têm garra suficientes para se defender, sentindo-se impotentes.

 

Além das possibilidades físicas (chutos, socos, pontapés, empurrões, roubo ou dano aos pertences, etc.) e verbais (apelidos, insultos, comentários racistas, homofóbicos, de diferenças religiosas, físicas, económico-sociais, culturais, morais e políticas, etc.), ainda podem aparecer comportamentos mais indiretos, como a exclusão social ou isolamento. 

Para além disso, e agora nesta nova era informática, é necessário lembrar que existe ainda, o bullying eletrónico ou cyberbullying. Onde estes constantes  ataques podem ser expandidos para ambientes eletrónicos, por meio de redes sociais, mensagens de texto, sites, blogs, etc

Já tive uma paciente que inclusive deixou de ir à escola porque sofreu de ciberbulling. A M. enviou um “nude” ao namorado, sendo que este reencaminhou para outros rapazes, logo toda a escola tinha a foto da menina nua. Ela cheia de vergonha nunca mais foi à escola. Agora passado mais de 1 ano já conseguiu iniciar os seus estudos noutra escola. Foi um caso muito desafiante. 

Há alguma idade mais recorrente? 

A idade não me parece fator predominante, na medida em que tanto tenho meninos de 5 anos, como de 11, como 14 anos. Depende de outros fatores como infelizmente aparência, tipologia de personalidade e diferenças culturais.

  1. Quais costumam ser os primeiros sinais? Qual costuma ser o comportamento de um bully na escola e em casa? Os primeiros sinais é isolamento casa e na escola, tristeza recorrente, mudanças no comportamento do sono, alimentação. Mostrar medos diferentes, dores cabeça e barriga fora do normal- Enurese ou encoprose repentina. Traços depressivos, ansiosos, inseguros, atacarem repentinamente primos ou irmãos mais novos (como espelho, do que lhes está a acontecer). Na escola é exatamente igual, mas o primeiro talvez seja mesmo o isolamento ou choro recorrente sem motivo
  1. O que faz com que um miúdo pratique bullying com outros? Quais são os factores? Personalidade? Relação familiar?

Habitualmente um miúdo que pratica bulling com outros, é uma criança ou adolescente grandemente perturbado. Acredito que quanto pior se porta uma criança, mais necessita de ajuda. Ou seja, está em sofrimento, em dor psicológica, com um grande buraco. E a única maneira que sabe/conhece para se fazer notar é através da agressividade com os mais “fracos”.

Quando falamos com eles e os desmontamos com esta teoria, de que precisam ajuda porque estão muito tristes, eles desmancham-se a chorar.

São habitualmente miúdos tristes, depressivos, que se sentem abandonados pelos pais. Atenção não quer dizer que sejam abandonados, mas sim que têm essa percepção, de que não têm atenção dos pais. Habitualmente têm baia auto-estima, e confiança, são inseguros, vêm de famílias com grandes discuções, disruptivas, ou mesmo aqueles que estão muito pouco tempo com pais, e que ou estão sozinhos a maior parte do tempo, porque claro os pais trabalham, ou porque passam grandes temporadas só com empregadas diferentes, não criando grandes vínculos.

Encontramos também nestes adolescentes uma má relação com um ou com os 2 pais.

  1. Existem muitas pessoas que dizem que a culpa é da educação dos pais. Qual é a sua opinião?

A culpa de tudo o que acontece é dos pais 😊 😊 😊 lollll. Não, claramente que a maioria dos pais não o fará propositadamente. Cada um fará o seu melhor, tem muito mais a ver com a tipologia de personalidade e com a percepção, medos e motivação com que a criança cresce. 

Claro, nós 4 p´s (psicologos, pais, professores e pediatras) deveremos estar atentos a comportamentos destes e ajudar estes miúdos a mudar de comportamento, aceitar e trabalhar “os seus buracos internos”.

MAIS DO QUE CULPAR OS PAIS É AJUDAR OS PAIS COM FERRAMENTAS PARA QUE POSSAM ORIENTAR OS FILHOS!!!

PREVENÇÃO😊

  1. Porque é que para muitos pais é difícil reconhecer algum comportamento mais negativo por parte dos filhos?

Claramente porque se sentem culpados. Porque pensam onde errei? E depois é também difícil para eles, depois de momentos menos bons, conseguirem ver boas características nos filhos.

Todos achamos que fazemos o melhor, como podemos ter um filho assim?

  1. Como diferenciar uma zanga normal entre miúdos e bullying?

Numa anga os 2 atacam e se defendem, no bulling a vítima não se sabe defender, fica apático, com medo no seu canto, sem reação.

  1. O que é que os pais devem fazer quando os filhos são agressivos e batem nos outros? Quais são os seus conselhos e dicas? Pode enumerar por passos? Qual é a primeira coisa a fazer?
  2. Ouvir o filho. Perceber a dor (emocional)que ele tem. Porquê ele está a fazer mal a outros? O que ele sente? Do que tem medo? O que ganha? O que perde?
  3. Explicar o que o outro menino sente. Pedir para trocar de papeis, se “colocar-se no sapato do outro”, como se sentiria?
  4. Ensinar a assumir culpa e pedir desculpa. Não é a culpa é dele, que provocou…. É do x que…., do professor…. A culpa é minha porque……
  5. Castigo muito bem explicado. Tudo na vida tem consequências, boas ou más, conforme os nossos comportamentos.
  6. Diminuir castigo se passados alguns dias o comportamento alterar por completo e houver inclusive pedido de desculpa ao outro. Mas atenção, deve explicar que está a reduzir o castigo porque ele mudou o seu comportamento e atitude também.

ENFIM, SOU DA OPINIÃO QUE É IMPORTANTE REGRAS, LIMITES, MAS sempre COM MUITO AMOR, ATENÇÃO E COMPREENSÃO. TODOS PRECISAMOS DISSO PARA CRESCER.

Não tenho autorização para lhe dar nomes, claro, é um tema delicado, no entanto aqui vão algumas situações

Também queria pedir-lhe alguns casos de crianças (três, por exemplo) que o fazem:

  1. J. 9 anos, sempre muito triste, angado com a vida e mundo. Iniciou a pratica de bulling quando os pais começaram a falar na separação. Segundo a criança havia muitas discussões entre os pais, e ele escondia-se no quarto a ouvir. No dia seguinte ia para escola e batia sempre num menino que era um “tótó” SIC Para além de bater punha os pertences do colega na sanita, deitava fora o lanche, etc

Neste caso claramente foi por dor emocional, por se sentir perdido nas discuções dos pais, porque foi apenas nesta altura que o fes, depois ficou bem, e nunca o tinha feito. Era um “socorro” não estou bem. 

Quem se apercebeu foi a professora que falou com os pais e o coloraram nas minhas consultas para que o pudéssemos ajudar. Hoje está tranquilo.

  1. L. 13 anos, vivia com mãe desde 4 anos separação dos pais. Surge em consultório porque havia queixa de mãos tratos na escola com outras meninas. Uma auto-estima muito baixa, completamente perdida. Percebemos que esse comportamento seria desde que a sua mãe arranjou um namorado, e ela percecionou que iria ficar “sem lugar”. Nunca conseguiu dizer À mãe que estava triste e magoada. A sua forma de reagir foi a atacar as outras colegas na escola. Chegou a criar WhatsApp para “deitar a baixo” uma menina da idade dela “que tem a mania” SIC. Esse WhatsApp, público era o motivo de chacota na escola toda. Onde ela faia comentários, gozava com fotos, entre outros.

A mãe quando soube reagiu muito mal, mas após 3 meses de terapia familiar entre mãe e filha a situação ficou resolvida. Voltaram a bem comunicar, e se relacionar. L. voltou a ser a menina tranquila de sempre. Por vees é só perceber o que lhes doi;(

  1. T. 12 anos. Chamava gorda, massacrava, perseguia no caminho para casa, chamava outros nomes, chegando a por bichos na mochila da colega. Chamou à atenção quando lhe bateu. As colegas deram por isso e contaram À diretora de turma. 

Em consultório, apercebo-me que este adolescente estava a Auto mutilava-se já há 1 ano, cortava-se e queimava-se com isqueiro. Filho mais novo de uma fratria de 3 sentia que ninguém gostava dele. “Eles acham que só me porto mal, não gostam de mim. As minhas irmãs são as perfeitinhas” SIC “já que sou mal comportado… olha!”

É um rapa que ainda está em psicoterapia comigo porque está muito perturbado.  Começou a ter estes comportamentos porque “lhe dava goo” ver a outra a sofrer. No fundo seria a forma que encontrou para não sentir a sua própria dor.

Como é a personalidade da criança?

Quando começou a praticar bullying?

Onde? O que faz e diz?

Qual é a razão? Tem haver com a personalidade? Com o ambiente familiar? 

Quando e como é que os pais se aperceberam?

Como é que resolveram ou como estão a resolver o assunto?

Dados Biográficos: 

Da criança: nome, idade e ano de escolaridade

Do pai/mãe: nome, idade